Pular navegação

Monthly Archives: janeiro 2011

Moro em São Paulo e após a longa chuva que caiu noite adentro, logo ao amanhecer vejo a Serra da Cantareira ao longe, límpida, verdejante, o ar fresco com aquele cheiro de grama úmida, é a natureza em destaque. Mas o homem a culpa pelas desgraças, até pelas mais de 700 pessoas mortas no Rio de Janeiro. “Aquele morro não deveria ter caído” disse uma das vítimas, mas o morro caiu e caindo não esperava ele encontrar pessoas em seu caminho natural.  “Choveu em um dia o que era esperado em um ano” disse outro… Quem disse que é assim que funciona? O homem… Será mesmo que o homem acredita que pode superar a natureza? Ele pode e a está destruindo, mas vertiginosamente ela está se recompondo e voltando a ser a natureza como no início, sem a ajuda das ONGs dos homens, é claro!

Anúncios

Quero parabenizar a toda imprensa brasileira pela destreza, apoio, coragem, dinamismo, audácia e, sobretudo a solidariedade, dotes que nestes profissionais se sobressaem, enquanto eles estavam em meio aos destroços, ajudando com suas mãos, com helicópteros, com suas câmeras, com seus ombros, as Forças Armadas Brasileiras, de quem esperávamos tudo isso estava parada nas filas da burocracia, esperando quem sabe, uma assinatura vulgar, pois creio que assim eles consideram as centenas de vítimas do Rio de Janeiro, que para o Governo, são apenas números, estatísticas, que decerto repetir-se-ão ao longo de mais alguns anos.

Em apenas um ano e oito meses de batalha judicial, o casal de lésbicas Adriana Tito Maciel e Munira Kalil El Ourra conseguiu o direito de registrar os filhos gêmeos, O Juiz Fábio Eduardo Basso citou uma passagem da promotora Cláudia Moreira França ao destacar que considerava Adriana e Munira um casal. “Vivem juntas e resolveram ter filhos”. Vou aproveitar a deixa e ver o que consigo… Afinal moro com minha pata de estimação, a Luizinha, há mais de cinco anos… Ela já faz parte da família. E não vou me admirar se baterem o martelo!

Sr. Plínio de Arruda Sampaio, o padre belga François Houtart, confessou ter abusado de uma criança de oito anos, ele não está sendo simplesmente acusado.  O seu apoio irrestrito ao Padre, no tocante a indicação dele para o Prêmio Nobel da Paz me deixa bem à vontade em ter riscado seu nome de minha agenda. Sua explicação de que um homem bom, generoso, valente como Houtart ter caído nesse pecado (leia-se na verdade crime hediondo) pelo fato dele tratar-se de um ser humano é simplesmente ridícula, afinal estamos no planeta Terra, a menos que senhor admita que todos os pedófilos sejam marcianos e ele é a exceção.