Pular navegação

Monthly Archives: abril 2014

Ao contrário do muita gente pensa, a expressão “fazer nas coxas” surgiu na época da colonização brasileira. As telhas usadas nas construções da época, feitas de barro, eram moldadas nas coxas dos escravos. Assim, algumas vezes ficavam largas, outras vezes finas, nunca ficando com um tamanho uniforme. Foi desta forma que surgiu a expressão, utilizada para indicar algo mal feito, como por exemplo, a construção dos estádios da Copa 2014 no Brasil, que estão literalmente sendo feito nas coxas, aos trancos e barrancos.

“Não há a menor hipótese de o governo federal pactuar com qualquer tipo de violência. Não deixaremos, em hipótese alguma, a Copa ser contaminada”, disse a presidente Dilma Roussef… Isso já passou da conta. Os bandidos estão trucidando mulheres, crianças, trabalhadores.  Decretaram nossa pena de morte e a presidente preocupada com a Copa.  Não que eu queira faltar com respeito a esta mulher, mas é repugnante sua fala, é tardia sua ação, é inoperante seu poder.   Manter por todo este tempo no Ministério da Justiça um homem que não toma uma ação sequer em favor da sociedade que está sendo dizimada pela bandidagem me leva a crer que tem algo de podre no reino da Dinamarca. Aguardo com ansiedade o mês de Outubro para riscar para sempre de minha vida o número 13, e eu que não era supersticioso, mas tornei-me desde já.

Xerazade, grafado também como Sherazade ou Sheherazade, é uma lendária rainha persa e narradora dos contos de As Mil e Uma Noites. Segundo a lenda da antiga Pérsia, Sherazade, com sua beleza e inteligência, fascinou o rei ao narrar histórias fantásticas por mil e uma noites, poupou sua vida e ganhou o eterno amor do Rei Shariar.  A nossa Sherazade aqui do Brasil foi calada e não pode mais contar as histórias que os brasileiros querem ouvir, mas o nosso amor por ela permanece e acreditamos que algum outro Rei (ou emissora) que não se curve antes os monarcas inimigos, permita que ela volte a nos encantar nas mil e uma noites com suas histórias e comentários.

A Prefeitura de São Paulo finaliza até o fim deste semestre um projeto batizado de TransCidadania, a iniciativa consiste em pagar um salário mínimo por mês para travestis e transexuais.  A ideia é que, enquanto façam parte do projeto, as transexuais e travestis tenham acompanhamento de saúde para que possam realizar o tratamento com hormônios adequado. O Projeto também pretende oferecer alternativas profissionais. Serão injetados R$ 4,5 milhões para ajudar 500 delas até 2016.  Há 20 anos trabalhando com sexo, um travesti de 37 anos, conta que dificilmente conseguiria ganhar os R$ 200 por dia se não fizesse programas. Então me pergunto, 20 anos trabalhando com sexo, mais de R$ 4.000,00 por mês, sem pensar no futuro e agora eu tenho que arcar com o futuro de meus filhos e também com o futuro dele? Isso é correto?