Pular navegação

Tag Archives: josé sarney

Reinaugurada pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), a exposição de painéis permanente da Casa, sobre a história política do País desde 1822 até os dias atuais, ressurgiu sem o painel que conta o impeachment do ex-presidente Fernando Collor (PTB). Sarney justificou a ausência dizendo que o fato foi “apenas um acidente” e “não é tão marcante”. De certo modo concordo com o Sarney, é fato irrelevante, não precisa ficar exposto em painéis ou em lugar nenhum.  Os fatos políticos vergonhosos e marcantes de pessoas como o Collor e do próprio Sarney já mancharam a nossa história de maneira que a exposição ou não em um painel em nada alterará a memória do povo.

Anúncios

Em razão do massacre de Realengo no Rio de Janeiro onde foram mortas 12 crianças, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), defendeu nesta sexta-feira a revogação do Estatuto do Desarmamento em vigor desde 2004.  Este Estatuto foi um dos maiores erros já cometidos em nome de uma pseudo-segurança pública, pois como resultado ele desarmou uma sociedade ordeira e manteve armados os bandidos.  O que se vê desde 2004 até os dias de hoje é uma população acuada pela bandidagem e os bandidos armados até os dentes em plena luz do dia atacando as pessoas com a certeza de que não haverá um revide à altura.  O que falta mesmo é um governante com “aquilo roxo” para enfiar uma tolerância zero pela garganta dos bandidos.

As conexões neurais do presidente do Senado José Sarney definitivamente devem estar seriamente avariadas. Assisti na televisão uma reportagem mostrando que todo o Senado Federal de nosso País está empenhado em resolver um problema que pode afetar milhões de brasileiros (segundo palavras de um Senador da República), um problema entre o Clube dos Treze e a Rede Globo de Televisão! Enquanto isso a bandidagem invade nossa casa com fuzil, submetralhadora ou pistola e mata pais de família, mulheres e adolescentes ao tempo em que centenas de projetos na área de segurança pública que poderiam beneficiar milhões de brasileiros trabalhadores, honestos e dignos esperam, esperam, esperam… Esta é a prova de que nós, brasileiros, não sabemos mesmo votar.

Quando eu penso que já vi tudo… O presidente do Senado Federal, José Sarney (PMDB-AP), anunciou nesta quinta-feira que pretende acabar com as horas extras de diretores da Casa. “Vou determinar que nós tenhamos uma vigilância muito grande em matéria de gastos. A primeira decisão é acabar com esse problema de diretores poderem ter horas extras. Todo funcionário que ocupar cargo de direção não tem direito a horas extras para evitar que ele seja o próprio árbitro da avaliação de que deve trabalhar”.  Se o presidente do Senado acha que isto é um problema, em minha opinião é mais uma maneira dentre muitas que não conhecemos e que eles usam para se locupletarem oficialmente.

Enfim, acredito que as mudanças no cenário político nacional já começaram. O deputado federal Francisco Vieira Sampaio, o Chico das Verduras (PRP-RR), 60 anos, foi trabalhador rural, marceneiro, garimpeiro, taxista e, como o apelido indica, verdureiro, mas foi à carreira política que recorreu para ter estabilidade financeira e um salário fixo. “Entrar para a política foi uma forma de ter um salário”, disse ele.  Agora espero que esta sinceridade seja aplicada em seu dia a dia e que ele se contente apenas com o salário que almejou e não com o dinheiro do contribuinte como é de costume, e, efetivamente trabalhe.

O colega Luciano Nogueira citou em um Jornal de São Paulo três exemplos de patrocínio da Petrobrás que citou como questionáveis, quais sejam: a) Fundação José Sarney que recebeu R$ 1,3 milhão. b) Flamengo: Notório sonegador milionário de INSS. c) Big Brother Brasil. Mas prepare-se pelo que ainda vem ai, Lembre-se que há pouco tempo a Petrobrás despejou milhões de reais nos bolsos dos bicheiros do Rio de Janeiro para patrocinar escolas de samba e nem por isso o Presidente da Petrobrás foi preso, como ocorreu com o cantor Belo acusado de associação ao tráfico.  E não me venham dizer que bicheiro e traficante são como água e óleo…

O momento político brasileiro requer reflexão.  É preciso um basta, mas para não parecer um golpe, o basta tem que vir em doses homeopáticas.  É preciso que o representante do povo tenha o passado limpo.  Não adianta instigar a população a não votar neles, O Collor está de volta como o melhor (ou seria pior) exemplo.  Aos legisladores honrados faz-me mister um pedido, como dizem eles em caráter de urgência urgentíssima, elaborar uma lei que não permita em hipótese alguma a candidatura de pessoas que respondam a processos ou ao menos estejam sendo investigadas por delitos de qualquer tipo, principalmente os ocorridos quando estavam ocupando cargos públicos.  Quem sabe assim consigamos limpar o fosso.

Em particular e por motivos óbvios, solicito a toda a imprensa brasileira que ao divulgar a imagem do Senador José Sarney não exponha a foto em que ele aparece usando o Fardão, vestimenta da ABL – Academia Brasileira de Letras.  E à ABL, sugiro que em seu site, dentre os textos escolhidos deste Imortal, retire o “Conversa de Canoeiro” onde o atual ocupante da cadeira de número 38 termina seu texto com a frase “- Êta Maranhão grande aberto sem porteira …”, e ao que parece, inspirado neste texto ele resolveu invadir e tomar conta de tudo por lá.